Imóveis

Caixa disponibiliza novas condições de crédito com recursos do FGTS

Imóveis

Caixa disponibiliza novas condições de crédito com recursos do FGTS

Valor de unidades em municípios com menos de 20 mil habitantes pode ser de até R$ 145 mil 

Banco disponibiliza mudanças para os financiamentos do Minha Casa Minha Vida e Conselho Curador do FGTS (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Já está em vigência, desde o começo do mês, as novas condições de financiamento habitacional com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), nos programas Minha Casa Minha Vida e Conselho Curador do FGTS. As medidas são destinadas às pessoas físicas, tanto nas operações individuais como ligadas a empreendimentos.

De acordo com a Caixa, as novas regras estão amparadas pela Resolução CCFGTS 904/2018, Instrução Normativa Ministério das Cidades 42 e 43/2018 e Instrução Normativa Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) 06/20019. Entre as principais novidades, estão a mudança nos limites de valor do imóvel para municípios com população inferior a 50 mil habitantes e do subsídio para imóveis em municípios com menos de 20 mil habitantes. Os limites de valor de imóvel para a faixa 1,5 permanecem inalterados.

Também foram alteradas as condições para subsídios nos dois últimos recortes territoriais dos programas. O valor máximo do subsídio para a faixa 1,5 do Programa Minha Casa Minha Vida, R$ 47,5 mil, será mantido para os mutuários com renda bruta até R$1,2 mil.

Rendas superiores terão redução progressiva do subsídio. Para os beneficiários da faixa 2, estipulado pelo banco, o valor máximo de R$ 29 mil permanece para os mutuários com renda familiar bruta mensal de até R$ 1,8 mil, de acordo com a região em que estiver localizado o imóvel.

Expectativa
Com essas novas condições, a Caixa informou que está com capacidade para atender a demanda por moradia no mercado imobiliário e aplicar todo o orçamento disponível para 2019. A expectativa do banco é de que a mudança promova o aquecimento da economia, gerando empregos e rendas, além de ajuda com a redução do déficit habitacional do país.

Nos últimos anos, a defasagem de habitação no Brasil aumentou em mais de 220 mil imóveis entre 2015 e 2017, batendo recorde, de acordo com levantamento feito pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), atingindo cerca de 7,78 milhões de unidades habitacionais em 2017. 

Newsletter
Não perca nenhuma notícia.

Inscreva-se em nossa newsletter gratuita.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Terça, 03 Agosto 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.folhadealphaville.com.br/