Aumenta a procura por certificado de construções sustentáveis no país

Selo verde passou a ser requisitado por outros perfis de edificação, como casas (Foto: Kakso Sandor/123rf)

Levantamento do Green Building Council Brasil aponta o país como um dos protagonistas no movimento de construções sustentáveis, em 2018. De janeiro a dezembro, foram 88 registros (três vezes mais que o ano anterior) de empreendimentos que pleitearam certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) ao GBC, organização que concede o selo às edificações de acordo com critérios que estimulam a eficiência energética nestes locais.

No acumulado, o país possui 1.345 registros, sendo 533 certificações, em 25 estados mais o Distrito Federal. Hoje, o Brasil ocupa a quarta posição no ranking mundial de construções certificadas LEED, à frente de 162 países e atrás apenas de China, Índia e Canadá.

O ano passado também ficou marcado pela diversificação do perfil de imóveis que solicitaram o registro. Antes predominado por edificações comerciais de alto padrão, o selo passou a ser requisitado por outros perfis de edificação. Em 2018, as tipologias com maior número de registros foram: prédios comerciais, centros de distribuição, restaurantes, escritórios, shoppings, escolas e casas.

Os números do GBC Brasil, respaldados pela relação entre custo e reduções, e o recente estudo feito por pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Odilon Costa e Wesley Silva, apontam que as construções verdes são a melhor opção de negócio no mercado imobiliário. Os dados da pesquisa mostram que o reconhecimento de uma construção comercial como sendo sustentável, em São Paulo, promove uma valorização por metro quadrado na comercialização do aluguel de 4% a 8%.

"Através das certificações, conseguimos contribuir para que as equipes priorizem inovação tecnológica e de processo visando maximizar a eficiência, além de conciliar o desenvolvimento com aspectos ambientais, interesses coletivos e melhor experiência no conforto dos ocupantes", afirma Felipe Faria, diretor executivo do GBC Brasil e presidente do Comitê dos GBCs das Américas pelo World Green Building Council.

Projeção
Ainda de acordo com Faria, o movimento de construções sustentáveis demonstrou alta resiliência durante o recente período de desafios econômicos e políticos que afetou a construção civil. Já para este ano, estima-se um crescimento de 40% comparado ao ano anterior, sendo que, em janeiro de 2019, já foram registrados 10 novos projetos. 

Veja mais notícias sobre Imóveis.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 09 Dezembro 2019

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário