Política

Publicidade impressa lidera gastos de candidatos a prefeitos

Política

Publicidade impressa lidera gastos de candidatos a prefeitos

Dados do TSE consideram os disputantes ao cargo majoritário em Barueri e Parnaíba 

Segundo um levantamento realizado pela Folha de Alphaville, na quarta-feira (28), junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a prestação de contas dos candidatos ao cargo majoritário revela que eles têm priorizado estratégias de campanha do modelo tradicional. As despesas com a produção de publicidade por material impresso lideram a lista.

Dos 12 concorrentes analisados pela reportagem, sete investiram a maior parte da verba no item citado. Outros quatro não possuíam prestação de contas, são eles: Dr. Daniel Junior (PSOL), de Santana de Parnaíba e Prof. Balde (PSOL), Reinaldo Monteiro (PROS) e Capitão Ataliba (PODE), ambos de Barueri.

O prefeito de Barueri Rubens Furlan (PSDB) anotou o maior gasto com materiais impressos, R$ 456,2 mil, 44% do total das despesas. Já em percentual, se comparados os gastos totais dos concorrentes, Mari Tavelli (PSB), que disputa o cargo majoritário no município, registrou o maior índice. Mari investiu R$ 55,1 mil em materiais impressos, ou seja, 70% do valor total gasto por ela, R$ 78,1 mil.

O candidato do PT, Baltasar Rosa, 'empenhou' R$ 7,1 mil; Julio Leal (PMN), R$ 4,5 mil. Dos concorrentes de Parnaíba, Marcos Tonho (PSDB) contabilizou a maior quantia, R$154,8 mil; seguido do Dr. Danilo Ferraresi (PTB), R$ 59,3 mil, Silvinho Peccioli (PSD), R$4,5 mil e Juliana Capitã e Médica (PRTB), R4 6,6 mil. Dos nomes mencionados, apenas Juliana não destinou o maior valor para publicidade impressa. Ela aplicou a quantia superior na criação e impulsionamento de páginas na internet, R$ 7,2 mil.

O especialista

Na avaliação do cientista político e professor do Insper, Leandro Consentino, a aplicação maior de recursos em materiais impressos se dá por diversos motivos, entre eles, o fato do "papel" chegar a locais mais distantes, além da população que não é tão adepta da tecnologia. "A penetração do material impresso é maior. Essa é uma visão um pouco arcaica. Além do mais, tem o 'toma lá, dá cá', praticas com contratação de gráficas. Elas ajudam na campanha e recebem algum tipo de devolução ao longo do mandato. Precisamos fiscalizar essa prática", disse. 

Fundo partidário
Ao analisar os doadores dos recursos recebidos pelos candidatos a prefeitos das duas cidades citadas, a reportagem constatou que três deles não tiveram repasse de Fundo Partidário. Em Santana de Parnaíba, Juliana Capitã e Médica (PRTB), com R$ 22 mil e Silvinho Peccioli (PSDB), R$ 23 mil. No município de Barueri, Julio Leal (PMN), com R$ 11,8 mil e Capitão Ataliba (PODE), R$ 1 mil. 

Furlan recebeu do partido, R$ 690 mil; Mari (R$ 150 mil) e Baltasar Rosa (PT), R$ 99,8 mil. Dr. Danilo Ferraresi (PTB), R$ 44,4 mil e Marcos Tonho (PSDB), R$ 100 mil; os dois disputam a cadeira de prefeito de Parnaíba.

Newsletter
Não perca nenhuma notícia.

Inscreva-se em nossa newsletter gratuita.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Terça, 17 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.folhadealphaville.com.br/