Novo coronavírus muda forma de procurar emprego

Investir na internet é fundamental na pandemia, diz Sebrian. (Foto: Divulgação)

Com 12,8 milhões de desempregados no final de março e uma perspectiva, segundo a Fundação Getúlio Vargas, de que a taxa de desemprego chegue a 17,8% ano, a economia sob a pandemia de Covid-19 não promete facilitar a vida de quem procura por uma recolocação no mercado de trabalho. Ela, inclusive, tem mudado a própria maneira de se procurar emprego. 

Moradora da Vila Cretti, em Barueri, Cristina Cardoso foi dispensada da empresa em que atuava recentemente. Acostumada a buscar trabalhar em agências, ela passou a fazê-lo virtualmente. "Tenho encaminhado currículos pela internet", conta ela, que vê "muita diferença e muita dificuldade" no processo. 

Essa, hoje, é uma situação comum. É o que diz a consultora de carreiras Simone Sebrian. "Nós estamos divididos hoje em dois públicos: quem não tem acesso à internet de forma consciente e quem está super antenado à rede", afirma. "O primeiro público está sofrendo bastante". 

Enquanto procura por bicos como faxineira, Elaine Azevedo, de Santana de Parnaíba, enfrenta as mesmas dificuldades. "Eu ias nas agências, mas agora quando aparece alguma coisa no Facebook, um mando currículo", conta ela. "Até agora ninguém respondeu nada, e eu estou esperando", diz. 

Quem está tendo problemas, diz Sebrian, deve seguir investindo na busca pelas redes. "A recomendação é que as pessoas procurem tutoriais na internet, vídeos curtos no YouTube, para poder estruturar um bom perfil no LinkedIn, que é uma ferramenta muito poderosa", afirma. 

Networking 

Quem já está acostumado ao uso da web também enfrenta dificuldades, já que até mesmo as oportunidades de networking hoje são escassas. Se você é um desses profissionais, a consultora de carregueiras diz que "as redes sociais precisam ser usadas a seu favor". 

"É importante conseguir mostrar seus conhecimentos e os assuntos que você domina nas redes sociais, não é simplesmente ser um muro lamentações", diz. Apesar da crise econômica, o mercado não parou de se movimentar, diz Simone. "Tem muita gente sendo contratada, tem gente fazendo transição de carreira no meio da pandemia", afirma. 

Ela dá ainda uma última dica para quem não está acostumado a utilizar aplicativos como Zoom e Hangouts, mas que certamente vai encontrar uma vaga. "Na hora da entrevista", diz, "fale naturalmente".

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 25 Mai 2020

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

No Internet Connection