Modelo de negócio em alta, padaria artesanal abre em Alphaville

O casal Tatiana e Fabrizio produz os pães com fermentação natural e lenta, processo dura em média 18 horas. (Foto: Michela Brígida/Folha de Alphaville)

O cheiro de pão quentinho que invade as manhãs do Centro Comercial Alphaville conquistou o paladar dos clientes que entram para tomar um café e conhecer o Empório Mafalda, inaugurado em novembro de 2018. No país onde 98% das pessoas consomem produtos panificados, segundo levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP), o empreendimento se destaca no ramo de fermentação natural e lenta. 

Moradores de Alphaville há três anos, o casal Tatiana Sapia Bouzaz e Fabrizio Bouzaz descobriu que queria investir no ramo quando começou a fazer pães artesanais em casa e entregar nas residências, primeiro para colegas e depois para os primeiros clientes. "O número de pedidos começou a aumentar, então, decidimos investir em um espaço", contou Tatiana.

Com investimento inicial de R$70 mil reais, Bibo e Tati, como são chamados carinhosamente pelos clientes, escolheram o bairro por enxergarem nele um nicho. "Percebemos que o morador de Alphaville busca uma alimentação saudável, mas ainda vai à São Paulo, pois aqui na região temos poucas opções e caras", afirmou.

O Empório Mafalda vende pães produzidos com fermentação natural e lenta, além de produtos a granel como sementes, grãos e castanhas. O negócio deu tão certo que Tatiana prevê um crescimento de 30% ao ano e planeja ampliar a empresa. "Tendo como foco os pães, pretendemos ampliar inicialmente com uma segunda unidade e quem sabe investir em franquias em breve", completou.

Com um crescimento cada vez maior no mercado de panificação artesanal, o casal quer espalhar para o maior número de pessoas o conhecimento sobre as vantagens da fermentação natural. "Hoje vemos muitas pessoas se privando de alguns ingredientes por puro modismo. A panificação artesanal foi gourmetizada, fazendo com que um pão que tem como ingredientes farinha e água custe muito caro. Claro que existem processos e equipamentos que não são baratos, mas é totalmente possível levar pão saudável e de qualidade para a mesa de qualquer pessoa", explicou Tatiana.

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 14 Dezembro 2019

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário