Furlan vê como positiva transferência de recursos do governo

Presidente esteve no Congresso na quinta-feira (5) (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Na terça-feira (5), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) entregou ao Congresso três projetos de reformas nas áreas fiscal e do pacto federativo elaboradas pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes. Além de Guedes, Bolsonaro foi acompanhado pelo ministro Onyx Lorenzoni, da Casa Civil, e recebido pelos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM). Paulo Guedes afirmou que "o tema não podia ser mais apropriado para o Senado porque é uma transformação do Estado brasileiro. O pacto tem várias dimensões. Tem a consolidação de uma cultura fiscal de austeridade, de sustentabilidade fiscal. Vamos garantir finanças sólidas para a República brasileira". A medida pode liberar até R$ 500 bilhões aos estados e municípios.


O prefeito de Barueri, Rubens Furlan (PSDB), que não tem aprovado o governo de Bolsonaro, avaliou a proposta como positiva, com ressalvas. "Mais recursos nas mãos dos municípios é bom, afinal é nas cidades que o povo é atendido diretamente, em saúde e educação, por exemplo. Essa autonomia é boa, o governador Doria já vem fazendo uma gestão mais municipalista no Estado, com foco nas gestões locais", disse.

Apesar disso, o veterano pondera. "No caso do Governo Federal, vamos ter que aguardar de onde vai sair essa receita e como vão tramitar estas propostas no Congresso, para avaliar melhor. Barueri tem uma receita sustentável, batalhou e batalhamos por isso. Não podem chegar simplesmente tirar de um e dar para outro", analisou. 

Região

Recentemente, o presidente sancionou a Lei 13.885/2019, que define o rateio entre Estados e Municípios de parte dos recursos do leilão de petróleo dos excedentes de barris do produto do pré-sal. As cidades do Consórcio Intermunicipal da Região Oeste (Cioeste), com exceção de Araçariguama e Vargem Grande Paulista, conquistaram no geral R$48,5 milhões; no país o montante foi de R$ 10,9 bilhões.

A maior fatia foi destinada para os municípios de Barueri, Cotia, Itapevi, Carapicuíba e Osasco, cada um recebeu R$7.390.757,81. Na sequência, aparece Santana de Parnaíba (R$ 5.369.257,22), Jandira (R$5.070.965,15) e Pirapora do Bom Jesus (R$ 1.789.752,41).

Recursos
A PEC Mais Brasil traz mudanças na divisão de recursos de União, estados e municípios. O texto prevê, entre outros pontos, a descentralização de recursos do pré-sal; a criação de um Conselho Fiscal da República, que se reunirá a cada três meses para avaliar situação financeira dos estados; e medidas de desvinculação, desindexação e desobrigação do Orçamento. A PEC propõe, por exemplo, alterações na norma que obriga os governos a gastar um percentual mínimo com saúde e educação. O governo ainda propõe, na terceira PEC, uma ampla revisão dos fundos públicos para liberar mais de R$ 200 bilhões que hoje estariam travados. 



Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 14 Novembro 2019

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário