Dinheiro no exterior: saiba como lidar com as taxas e as regras

2018-05-08t041710z-348892478-rc121f0583c0-rtrmadp-3-indonesia-economy-forex
Veja qual moeda levar, qual modalidade financeira escolher e o limite de compras permitido

Além dos cuidados com documentos e seguro viagem, o viajante também deve ter cautela com o dinheiro ao organizar uma viagem. Saber como lidar com a grana em outros países pode garantir a tranquilidade.

A principal pergunta da maioria dos viajantes é: qual a melhor forma de usar o dinheiro no exterior? A resposta depende do seu destino, quanto tempo vai ficar em determinado local e quais são suas prioridades.

Primeiro, é importante pesquisar as taxas de câmbio em vários lugares e fechar negócio apenas com uma casa de câmbio de confiança. Outro cuidado é ficar atento às modalidades bancárias para os gastos no exterior.

Para a escolha da modalidade bancária, o viajante deve ficar atento, principalmente, no Imposto Sobre Operações Financeiras, o famoso IOF, que varia conforme o tipo de operação.

No entanto, mesmo que o IOF seja mais baixo em determinada modalidade, não significa que essa forma de operação financeira é a ideal para o viajante.

Escolha a modalidade financeira ideal:

Dinheiro em espécie – A moeda em espécie é a ideal para os turistas que preferem lidar com o IOF mais baixo – de 1,10%. Entretanto, a modalidade é a menos segura e é preciso ficar atento ao limite permitido.

Cartão pré-pago – O cartão pré-pago é destinado às pessoas que querem praticidade. Nele, é possível recarregar até seis moedas diferentes, além de acumular milhas, pontos e outras vantagens. Em contrapartida, o IOF para o pré-pago é de 6,38%, muito acima do dinheiro em espécie e, em alguns países, o cartão passa sem precisar de senha, aumentando a insegurança sobre seu uso.

Cartão de crédito – Como o pré-pago, o cartão de crédito possui o IOF de 6,38%. Porém, a modalidade pode facilitar compras pela internet, reservas e também é muito útil em caso de emergências.

Cartão de débito – Nesta modalidade, o viajante pode sacar dinheiro e fazer compras com a função débito, descontando direto da conta. Além do IOF de 6,38%, a modalidade possui taxas para saque que podem variar entre os caixas eletrônicos e os bancos.

Para países onde a moeda local é altamente valorizada é importante considerar levar a moeda do país. Por exemplo, nos Estados Unidos, países da Zona do Euro e na Inglaterra, é aconselhável o uso da moeda local, no caso, o dólar, o euro e a libra, respectivamente.

Para países onde não há mercado para o real, a dica é que o viajante considere fazer dois câmbios, ou seja, que ele troque o real por dólares ainda no Brasil e, em seu destino final, troque os dólares pela moeda local. Esta medida pode ser vantajosa em países que contém uma moeda desvalorizada e uma baixa procura pelo real.

Limite para comprar no exterior

De acordo com as regras da Receita Federal, o limite para isenção de impostos nas compras é de US$ 500 para quem viaja de navio e avião. Para quem viaja por terra, o limite é de US$ 300. Itens de uso pessoal estão livres de impostos e não entram no limite de US$ 500 estipulados pela receita.

Pode trazer sem pagar imposto:

  • Livros, folhetos e periódicos, sem restrições de quantidade.
  • Câmera fotográfica e celulares (Desde que seja um por pessoa e estejam fora da embalagem)
  • Itens de uso ou consumo pessoal desde que usados e compatíveis com as circunstâncias e duração da viagem.
  • Roupa e sapato (três peças de cada modelo).
  • Objetos comprados durante a viagem para uso profissional, desde que possa provar o uso.
Pode trazer, mas há limitação​:


  • Bebidas alcoólicas: 12 litros.
  • Cigarros estrangeiros: 10 maços.
  • Charutos ou cigarrilhas: 25 unidades.
  • Fumo: 250 gramas.
  • Bens com valor até US$ 10, no máximo 20 unidades e até 10 idênticos.
  • Bens com valor acima de US$ 10, no máximo 20 unidades, e até 3 idênticos.
Pode trazer, mas são tributados​:


  • Objetos acima do limite de isenção de US$ 500.
  • Veículos automotores, peças ou componentes, inclusive pneus.
  • Encomendas para terceiros.
  • Máquinas e aparelhos que requeiram alguma instalação para seu uso (Computador de mesa, ar-condicionado e projetor de vídeo).

Itens proibidos:


  • Cigarros de marca não comercializada no Brasil.
  • Réplicas de arma de fogo.
  • Agrotóxicos e seus componentes.
  • Substâncias entorpecentes ou drogas.
  • Produtos pirateados (Pode resultar em multas, repreensão e até mesmo a prisão).

Veja mais notícias sobre TurismoEconomia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sábado, 21 Setembro 2019

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário