Economia

Barueri é a melhor do país em empregos no setor criativo

Economia

Barueri é a melhor do país em empregos no setor criativo

Os dados são do levantamento "A estrada para crescer", realizado em parceria com o Grupo CCR 

A renda média per capita da população é de 4,4 salários mínimos (Jorge Alexandre)
Barueri se destacou mais uma vez no cenário econômico social. A cidade, com quase 28 mil empresas ativas e a 15ª mais rica do Brasil, conquistou o título de melhor lugar do país para se procurar empregos no setor criativo.

Os dados são do estudo "A estrada para crescer", realizado pela agência Virtù e o Centro de Liderança Pública (CLP), uma parceria que conta com apoio do Grupo CCR. O levantamento apresenta os desafios e as oportunidades do cenário social, econômico e fiscal de dez municípios paulistas (Osasco, Campinas, Sorocaba, Louveira, Tatuí, Avaré, Itapeva, Águas da Prata e Bragança Paulista), que serão divulgados por fases.

O estudo menciona que, mesmo enfrentando a pandemia, "Barueri segue firme na questão financeira, diferentemente do restante do país diante da crise na saúde".

Só em 2020, 8 mil vagas de emprego foram criadas graças à consolidação da região como polo de inovação e tecnologia. A renda per capita média da população de Barueri, que é de 4,4 salários mínimos, também chama atenção.

Potência
O PIB de Barueri, com base no ano de 2018, é de R$ 50,6 bilhões. O setor de serviços responde por 88% deste percentual e de indústria, 12%. O crescimento econômico anual médio é de 4,2%. O município é ainda considerado um bom lugar para se viver. "Todos os cidadãos têm acesso à água encanada e ao serviço de coleta de lixo", cita o estudo.

Outro fator avaliado diz respeito à segurança. São 6,6 mortes violentas por 100 mil habitantes, bem abaixo da média nacional, de 32,9.
A educação foi outro tema tratado. A cidade possui todos os jovens, de 6 a 14 anos, matriculados nas escolas, além de receber estudantes de outros municípios.

Situação Fiscal
Sobre o uso do dinheiro público, o estudo revela que a gestão destina a maior fatia (81,6%) da receita, estimada em R$3,3 bilhões neste ano, para despesas correntes da cidade. Na sequência aparece o índice de 38,3% para gastos com funcionários públicos, 31,7% para obrigações financeiras e de 5,1%que correspondem a endividamentos.

O prefeito Rubens Furlan declarou à reportagem que está feliz com os índices alcançados pelo município. "Eu sou muito ajudado pela Câmara, pelos secretários, a própria população, e apresentamos os melhores resultados. É como se eu tivesse liderando um monte de trabalhadores, de idealistas que desejam isso, alcançar a superação sempre. Somos um time ", disse. 

Newsletter
Não perca nenhuma notícia.

Inscreva-se em nossa newsletter gratuita.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 06 Mai 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.folhadealphaville.com.br/