Sem definição de sucessor, Elvis Cezar filia secretários no PSDB

Elvis está em seu segundo mandato consecutivo e não pode concorrer à reeleição (Michela Brígida/ Folha de Alphaville)

Os interessados em disputar cargos de vereadores ou prefeitos nas eleições de 2020 têm até abril para se filiarem ao partido e garantir a vaga na corrida eleitoral, que está prevista para outubro. Na região, o cenário em Santana de Parnaíba para o cargo majoritário permanece indefinido. O nome de quem concorrerá a vaga pelo PSDB será escolhido pelo grupo político do atual prefeito da cidade, Elvis Cezar (PSDB), segundo o presidente estadual da sigla e secretário de Desenvolvimento Regional do Governo Doria, Marco Vinholi.

Elvis, que não pode disputar a reeleição por já estar em seu segundo mandato consecutivo, diz que há muitos interessados, respeita todos, mas ainda não definiu. Apesar disso, falou à Folha de Alphaville que o nome indicado deveria partir de sua própria gestão, do seu grupo de trabalho.

Em consulta junto ao PSDB, a reportagem constatou a recente filiação de secretários do gestor. Entre os nomes estão o secretário de Obras, Evandro Barros Fernandes; o responsável pela pasta de Educação, Clecius Wanderley Romagnoli dos Santos; Hélio de Souza, secretário da Casa Civil e Mario Cesar da Silva, secretário de Serviços Municipais.


A adesão recente pode sinalizar uma possível escolha do prefeito entre os filiados. Elvis afirmou que todos são bons nomes. "É normal que se filiem ao nosso partido, porque é um fortalecimento. A legenda cresceu muito na cidade", contou sem dar detalhes.Porém, existem outros nomes há mais tempo na legenda, como o do próprio irmão do prefeito, Wesley Leonardo Cezar (desde 2011), do secretário de Assistência Social, Fábio Mendonça; do atual vice-prefeito, Oswaldo Borrelli e do deputado estadual Cezar, ex-prefeito da cidade e pai de Elvis.

Bastidores

Apesar de conversas de bastidores darem conta de que o deputado estadual Cezar, pai de Elvis, concorreria na chapa como vice-prefeito, o advogado especialista em direito eleitoral, Alberto Rollo, diz que não é possível. "O prefeito não pode indicar ninguém que tenha parentesco até o 2º grau, o que ocorreria em inelegibilidade de acordo com a legislação eleitoral. O pai não pode, o irmão não pode, o cunhado não pode, se o prefeito já estiver no segundo mandato. Se estiver no primeiro mandato, tem precedente do TSE que diz que pode, mas o prefeito teria que renunciar 6 meses antes da eleição", explicou.


Elvis foi eleito em uma eleição suplementar no ano de 2013, quando ocupava o cargo de presidente da Câmara, após seu pai, Cezar perder o mandato.


Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 12 Dezembro 2019

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário