Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.folhadealphaville.com.br/

Parlamentares pedem critério para reabertura de serviços

Em reunião virtual do Comitê Empresarial Econômico, governador do Estado de São Paulo, João Doria, diz que não haverá mudanças até 31 de maio. (Foto: Governo do Estado)

Na segunda-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro ampliou, por decreto, a lista de atividades essenciais à economia, incluindo academias, salões de beleza, cabeleireiros e barbearias no rol de estabelecimentos que podem voltar a funcionar em meio à quarentena determinada pelos governos dos Estados para combater a pandemia de Covid-19. 

A iniciativa despertou reação das autoridades estaduais em meio à escalada da disseminação do novo coronavírus - por dia, quase mil pessoas estão morrendo em todo o país por conta da doença. 

A maior parte dos governadores já disse que não vai seguir o decreto, incluindo o mandatário de São Paulo, João Doria (PSDB). "Até o dia 31 de maio, nenhuma modificação será feita na quarentena de São Paulo", afirmou ele na quarta (13). 

Alinhados ao prefeito Rubens Furlan (PSDB), que por sua vez é um grande apoiador de Doria, parlamentares da região ouvidos pela Folha de Alphaville têm opiniões distintas sobre a medida. 

"Cada município tem que definir o que é viável e pode funcionar. No caso de academias e salões de cabeleireiro eu acho até que dá para funcionar, mas precisa de alguns cuidados e critérios na forma de trabalhar, sem aglomeração" disse o vereador Chico Vilela (PTB). 

"Se começar a abrir com bastante rigor, e todo mundo respeitando as regras, não vejo grandes problemas", diz o presidente do legislativo barueriense, Fabião (PSDB). "Neste momento não é o ideal, mas acho que o lugar com mais aglomeração hoje é o supermercado. Uma hora a vida vai ter que voltar ao normal", afirma. 

Já o deputado estadual Cezar (PSDB) diz que, para proteger a economia sem colocar em risco a saúde dos cidadãos, "devemos seguir o exemplo de países da Europa e Ásia". Para ele, é preciso "investir em outras medidas de auxílio à economia e apoio social", afirma. 

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sexta, 29 Mai 2020

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário