Caixa Econômica anuncia redução da taxa de juros para financiamentos

A medida foi divulgada na terça-feira (8) (Foto: ANDRIY POPOV/123RF.COM)

Nesta terça-feira (8), a Caixa Econômica Federal reduziu em 1% percentual as taxas de juros para financiamentos imobiliários com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). O benefício se aplica para créditos com saldo devedor atualizado pela Taxa Referencial (TR) no âmbito do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI).

Segundo a instituição, para imóveis residenciais, a taxa efetiva mínima será de 7,50% ao ano, com máxima de 9,50%, mais a taxa referencial (TR). Anteriormente, as porcentagens eram de 8,5% a 9,75% ao ano, mais TR. Na linha com correção da inflação, a taxa continua entre 2,95% e 4,95% ao ano, mais a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).


A medida passa a valer na segunda-feira (14), e as simulações podem ser feitas no site do banco, onde o cliente consegue comparar os juros e as condições para obtenção do financiamento.

"A redução das taxas de juros constitui um importante multiplicador econômico para todo setor da construção civil, pelos seus efeitos geradores de emprego e renda que são fortalecidos pela Caixa. Como o banco da Habitação, procuramos dar as melhores condições e alternativas para os clientes realizarem o sonho da casa própria", ressaltou o presidente do banco, Pedro Guimarães.


Outras condições
Desde agosto deste ano, além da correção dos financiamentos pela TR, a Caixa Econômica Federal também anunciou a possibilidade de crédito para aquisição de imóveis residenciais com taxas corrigidas pelo IPCA.

Em junho, o banco reduziu em até 1,25% percentual nas taxas de juros para operações pelo SBPE, além de alternativas para renegociação de contratos habitacionais para pessoa física. Até o momento, mais de 114 mil clientes já regularizaram suas dívidas, o que corresponde mais de R$ 10,1 bilhões renegociados.


Para os contratos de financiamento habitacional são oferecidas diferentes opções de negociação da dívida, como pagamento à vista do valor de entrada e incorporar as parcelas atrasadas nas próximas prestações a vencer até o fim do prazo contratual e utilização do saldo da conta vinculada do FGTS para reduzir o
valor da prestação, conforme regras do Fundo.


As condições de renegociação oferecidas dependem da situação do contrato, tais como valor contratado, valor da garantia, cota de financiamento e quantidade de presta
ções já pagas.  

Veja mais notícias sobre Imóveis.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sexta, 15 Novembro 2019

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário