Quinta, 20 Junho 2024

Cidades

Com alto número de adeptos, Alphaville pede mais infraestrutura para ciclistas

Vá de bike Cidades

Com alto número de adeptos, Alphaville pede mais infraestrutura para ciclistas

Segundo levantamento feito pela loja s2 Bike Shop, o número médio de atletas circulantes no bairro é de 8 mil pessoas por mês

Grupo Velocità treina durante a semana, entre 4h40 e 6h na Via Parque (Foto: Paulo Prezoto)

Para receber notificações da comunidade de Alphaville e região, inscreva-se em nossos canais no Telegram e WhatsApp

Na segunda-feira (3), foi celebrado o Dia Mundial da Bicicleta e Alphaville se destaca por receber cada vez mais ciclistas de diferentes regiões. Segundo levantamento feito na plataforma Strava pela loja s2 Bike Shop, que fica no bairro, o número médio de ciclistas circulantes no bairro é de 8 mil pessoas por mês, incluindo moradores e não moradores.

"Essa quantidade de ciclistas tem sua maior concentração nos fins de semana e no início e fim do dia durante a semana, que são os horários com menos trânsito. Nossa equipe interna de TI contabilizou essas informações de forma que usamos elas para planejar ações e conseguirmos melhores condições para nosso seguimento, como o apoio do Demutran", apontou Wellington Moreira, proprietário da loja.

O empresário afirmou ainda que houve um aumento nas vendas de bikes em 2023 e, neste ano, já há uma perspectiva de crescimento no setor.

"Na região, esse mercado cresceu 20% em 2023. A previsão é de um crescimento de 10% esse ano, o que já foi possível observar nos primeiros meses de 2024", destacou.

Falta de infraestrutura
Apesar da grande quantidade de adeptos, aqueles que praticam o ciclismo no bairro reclamam da falta de infraestrutura. Denis Campelo, que administra o grupo Giro Velocità, destacou que a infraestrutura da região é pensada apenas no trânsito de veículos.

"O crescimento populacional foi exorbitante nas últimas duas décadas, e a lógica para equacionar uma cidade disponível para carros e bicicletas pode ser quase utópica. Os projetos atuais não têm inteligência funcional, são apenas estratégias para sinalizar alguma preocupação com os usuários de bicicletas, sejam aqueles que praticam o esporte ou os que a usam como meio de locomoção".

Jeronimo Reis, atleta e criador do Instagram Ciclovia Via Parque (@ciclovia_viaparque), que divulga e incentiva o esporte na região, enfatizou que, hoje, a região está passando por muitas obras e a falta de sinalização e manutenção, que deixam o trajeto perigoso.

"A conservação das vias e a criação de novas ciclovias e ciclofaixas com certeza aumentaria a utilização de bicicletas na região para o esporte e também como meio de transporte", destacou.

Até o ano passado, Barueri tinha mais de 6 km entre ciclovias e ciclofaixas, sendo 3 km no Parque Linear, 1,5 km da Aldeia de Barueri à Estação CPTM Antônio João, 1,3 km na Avenida Aníbal Correia e 0,650 km na Avenida Pref. João Vila-Lobo Quero, além de um trecho de 1,70 km de ciclovia da Aldeia de Barueri até o Parque Linear.

Newsletter
Não perca nenhuma notícia.

Inscreva-se em nossa newsletter gratuita.


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.folhadealphaville.com.br/