Barueri e Santana de Parnaíba têm “nível zero” de desmatamento

Uma das Áreas de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) criadas por Barueri fica no bairro de Aldeia da Serra (Foto: Jorge Alexandre/Beast Fotografia)

Na última semana, uma análise preliminar do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes) revelou que o desmatamento na Amazônia, entre 1º de agosto de 2018 e 31 de julho de 2019, subiu 29,5%, na comparação com os 12 meses anteriores, e atingiu a marca de 9.762 km². É a mais alta taxa desde 2008. O Prodes é um sistema do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) que fornece a taxa oficial anual de desmatamento da Amazônia. 

Já na Mata Atlântica, que fica na região da costa leste, sudeste e sul do Brasil, segundo dados da Fundação SOS Mata Atlântica e do Inpe, entre outubro de 2017 e 2018, o desmatamento caiu 9,3% em relação a 2016-2017. É o menor registrado pela série histórica do Atlas da Mata Atlântica, que monitora o bioma desde 1985.

Originalmente, Barueri e Santana de Parnaíba são compostas 100% por Mata Atlântica. De acordo com dados mais recentes (2017) do "Aqui tem Mata?", da Fundação SOS Mata Atlântica, atualmente, os municípios estão no "nível zero" de desmatamento, ou seja, o desflorestamento que ocorre é menor do que 100 hectares por ano, sendo que um hectare equivale a 10 mil m².

"Desde 2012, Barueri se mantém neste nível zero. Santana de Parnaíba teve alguns picos em 2008, com uma média de quase 10 hectares desmatados. Em 2010, subiu para quase 20 hectares e, em 2011, já caiu para zero", explicou a Fundação Mata Atlântica. 

Ainda de acordo com dados do levantamento, Barueri conta com 477 hectares de Mata Atlântica, o que representa 7,26% da floresta original, e Parnaíba, 4.175 hectares (23,20 %).

Plano Municipal da Mata Atlântica
No ano passado, a Prefeitura de Barueri criou o Plano Municipal da Mata Atlântica, que tem o objetivo de cumprir a Lei Federal 11428/2006, que determina que todos os municípios devem zelar pelos fragmentos de Mata Atlântica que ainda têm em seus territórios. 

Como forma de solução, a cidade dispôs de uma lei complementar que estabelece a criação de Áreas de Relevante Interesse Ecológico (ARIE Barueri) nas regiões de Aldeia da Serra, Bairro dos Altos e Área Militar.

Veja mais notícias sobre Cidades.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quarta, 11 Dezembro 2019

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário