Após obras de mobilidade, circulação de caminhões em Alphaville e Tamboré ganha novas normas

A Avenida Piracema é uma das vias em que está proibida a circulação de caminhões (Foto: Michela Brígida/Folha de Alphaville)
A Prefeitura de Barueri estabeleceu novas normas para a circulação de caminhões nas alamedas de Alphaville e Tamboré, em horários de pico. O trânsito para este tipo de veículo é proibido de segunda a sexta-feira, das 17h às 20h, com exceção dos feriados. A novidade é que, a partir de agora, a restrição se estenderá para novas vias. A lei foi publicada no Diário Oficial e vale também para operações de carga e descarga em estabelecimentos situados no município de Barueri. 

De acordo com a publicação, a restrição será nas alamedas Alphaville (no trecho entre o número 1.555 e a Alameda Mamoré), Rio Negro, Grajaú, Mamoré, Itapecuru, Oiapoque, Amazonas, Purus, Madeira e avenida Cauaxi. A proibição se estende ainda para a alameda Araguaia, entre a Av. Dr. Dib Sauaia Neto até a Alameda Juari, Avenida Piracema (entre a Alameda Rio Preto e Avenida Ceci, sentido bairro, e no trecho entre a avenida Aruanã e avenida Marcos Penteado Ulhôa Rodrigues, sentido Rodovia Castello Branco), na Avenida Aruanã, entre a Avenida Tucunaré e a Piracema, sentido São Paulo, e na Paiol Velho, com início na rotatória com a Avenida Eucaliptos e Alameda Amazonas.

Segundo a Secretária de Segurança e Mobilidade Urbana, Regina Mesquita, com o aumento da frota de veículos e a circulação intensa de caminhões, foi feito um estudo em 2011 para restringir a circulação de caminhões nas vias públicas dos bairros.

"Com a conclusão da obra do viaduto sobre a Alameda Araguaia, o estudo foi revisado, ajustado e posto em prática. O Demutran fez a contagem de veículos da frota do município e os veículos flutuantes, características das ruas, bem como análise de origem e destino", explicou à Folha de Alphaville.

Legislação

A Secretaria de Segurança e Mobilidade Urbana, por meio do Departamento Municipal de Trânsito (DEMUTRAN), é a responsável pela fiscalização da norma. O descumprimento desta lei é considerado infração média pelo Código Brasileiro de Trânsito, com multa de R$130,16 e soma de quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). 

Veja mais notícias sobre Cidades.

Veja também:

 

Comentários: 2

Cyro Freitas em Sexta, 20 Setembro 2019 11:22

Deveria haver uma fiscalização mais ostensiva para que seja cumprida a lei. Pois é comum verificar caminhões circulando nos horários proibidos, nas vias de restrição.

Deveria haver uma fiscalização mais ostensiva para que seja cumprida a lei. Pois é comum verificar caminhões circulando nos horários proibidos, nas vias de restrição.
Anonimo do Tamboré em Sexta, 04 Outubro 2019 17:18

Fácil criticar e pedir fiscalização rígida de caminhões, para que possam chegar em casa numa boa no conforto do seu carro.
Mas não pensam nos prejuízos que isso traz para as empresas com horas extras, cansaço do motorista por ficar parado esperando acabar o rodizio, atraso nas entregas.... e por fim as inúmeras empresas que deixarão Alphaville e Tamboré devido o prejuizo enorme que terão por normas pífias como esta.
Essas mesmas pessoas que reclammr, com certeza reclamarão depois que estiverem desempregadas.... Pois é obvio que nenhum empresário aguentará tamanha perda de dinheiro e migrarão para outros municípios.

Fácil criticar e pedir fiscalização rígida de caminhões, para que possam chegar em casa numa boa no conforto do seu carro. Mas não pensam nos prejuízos que isso traz para as empresas com horas extras, cansaço do motorista por ficar parado esperando acabar o rodizio, atraso nas entregas.... e por fim as inúmeras empresas que deixarão Alphaville e Tamboré devido o prejuizo enorme que terão por normas pífias como esta. Essas mesmas pessoas que reclammr, com certeza reclamarão depois que estiverem desempregadas.... Pois é obvio que nenhum empresário aguentará tamanha perda de dinheiro e migrarão para outros municípios.
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Domingo, 08 Dezembro 2019

Siga a Folha

INFORME SEU ENDEREÇO DE E-MAIL:

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário